Rodolpho Riskalla, qualificado para Tóquio 2020

Com sua nova montaria Don Frederic, Rodolpho Riskalla honrou as cores do Brasil no Internacional Paraequestre – CPEDI3* CHI Al Shaqab, em Doha no Quatar, entre 27 e 29/2.

Rodolpho, cavaleiro que disputa adestramento clássico e paraequestre, está qualificado para os Jogos Paralímpicos Tóquio 2020 e dominou o placar com três vitórias no grau IV.

Na quinta-feira, 27/2, Rodolpho e Don Frederic, recém adquirido para sela do cavaleiro pela brasileira Tania Loeb, venceu a reprise por equipes com 74,500%.

Já na sexta-feira, 28, a dupla faturou o a individual, 74,559%, e no sábado, 29, fechou a rodada com 100% de aproveitamento totalizando 76,875% na média final do Freestyle.

“O Don Frederic está super bem, ganhei os três dias e estou feliz demais. Essa foi nossa primeira viagem para o Exterior e ele se portou muito bem nesse estádio grande aqui em Doha, inclusive no Freestyle, com a música”, comentou Rodolpho, 35, que mora e treina em Paris onde também trabalha na empresa Christian Dior. “Agora meu próximo concurso é o Internacional de Adestramento Horses & Dreams em Hagen, na Alemanha, e em seguido disputo um Internacional Paraequestre em Mannheim, também na Alemanha.”

Rodolpho, disputou sua primeira Paralimpíada na Rio 2016, menos de um ano após perder a parte inferior das pernas, os dedos de uma mão e parte da outra, devido a uma meningite bacteriana. Na ocasião fechou em 10º lugar.

Dois anos depois, o cavaleiro – que monta desde a infância – garantiu duas medalhas de prata na modalidade Paraequestre nos Jogos Equestres Mundiais 2018 nos EUA, competição que acontece a cada quatro anos.

Em Tóquio 2020, o Time Brasil Paraquestre contará com dois cavaleiros: Rodolpho e Sérgio Froes Oliva, que disputa o Grau I, e entre outras conquistas garantiu dois bronzes na Rio 2016.

A modalidade é disputada do grau I ao grau V (maior ao menor grau de comprometimento físico).

Fonte: CBH

100% de aproveitamento para Rodolpho e Don Frederic, foto Stefano Grasso
100% de aproveitamento para Rodolpho e Don Frederic, foto Stefano Grasso