Cardiologia equina: saiba quais as principais doenças

Quando se trata dos cuidados com cavalos, primeiramente, pensamos nas necessidade básicas do animal e o que isso implica na sua  rotina de manejo. Contudo, nesse tipo de criação alguns cuidados de rotina clínica se mostram necessários, principalmente se levarmos em conta os tipos de funções desempenhadas por esses animais. Pensando nesse cuidado mais específico, a cardiologia equina vem ganhando reconhecimento e importância no acompanhamento clínico..

A cardiologia equina ganha espaço, principalmente, no cenário de competição. Com ela, é possível acompanhar de forma mais detalhada o condicionamento desses animais, além, é claro, da avaliação para possíveis doenças que possam se desenvolver. Como os equinos possuem uma tendência maior ao desenvolvimento de doenças cardíacas, quando comparados a outras espécies domésticas, é importante que sejam monitorados nesse aspecto. Mesmo em casos de questões fisiológicas que, num primeiro momento, podem não causar alterações de rendimento.

Fonte: Portal Escola do Cavalo

Banner Thaty Aulas
Deste modo, é interessante estar ciente de quais são as principais doenças cardíacas que acometem os equinos e porque a realização do ecodopplercardiograma é relevante para melhores diagnósticos.

Principais doenças da cardiologia equina

Para entender mais sobre a importância da cardiologia equina, é importante conhecer as principais doenças que necessitam desse tipo de atendimento e sua recorrência nesses animais. Assim, as principais doenças cardiorrespiratórias em equinos são:

Insuficiência cardíaca

Essa talvez seja a doença de maior recorrência nos atendimentos dos veterinários que trabalham com cardiologia equina. Muito comum em animais de idade mais avançada, a insuficiência cardíaca, é uma condição em que o coração não consegue bombear a quantidade ideal de sangue para a sobrevivência do animal. Nesses quadros, há uma sobrecarga do pulmão, causando danos à capacidade respiratória do paciente. 

Alguns sinais dessa condição são:

  • Respiração ofegante;

  • Cansaço;

  • Inchaço;

  • Baixa circulação;

  • Espumação em excesso na boca.

Vale ressaltar ainda que, a insuficiência cardíaca pode se manifestar por predisposição referente à raça do animal, mas que, se diagnosticada no início, pode ser tratada com medicamentos.

Tromboflebite jugular

De forma simples, a tromboflebite jugular é a formação de um coágulo, ou trombo, que provoca alterações na composição e no fluxo da corrente sanguínea. Essa doença é causada, normalmente, após o uso de certos medicamentos prejudiciais por longos períodos de tempo. Porém, fatores como hereditariedade e predisposição da raça são relevantes em sua ocorrência. 

Mesmo com o trombo variando em tamanho, forma e localização, a doença apresenta sinais clínicos característicos. São eles:

  • Cansaço;

  • Apatia;

  • Trombose;

  • Falta de ar;

  • Alteração do ritmo cardíaco.

Endocardite bacteriana

Essa enfermidade cardiorrespiratória acontece por meio de uma infecção bacteriana valvular, causando a formação desde placas fibrosas a êmbolos sépticos. Dentro da cardiologia equina, a endocardite bacteriana ocorre normalmente em animais jovens. Contudo, mesmo sendo um problema grave, não é um problema comum.

As principais consequências da endocardite bacteriana são:

  • Formação de trombos, principalmente no lado direito da cavidade cardíaca;

  • Infarto do miocárdio;

  • Formação de abscessos no pulmão, miocárdio, rim e articulações.

Arritmia

Do ponto de vista da cardiologia equina, a arritmia é uma doença muito comum, se caracterizando por irregularidades nos batimentos cardíacos do animal.Também é considerada silenciosa, o que faz com seu diagnóstico seja mais demorado, mesmo sendo causada por uma má-formação congênita. Os principais sinais de sua presença são momentos de fraqueza e cansaço por parte do animal. Assim, o acompanhamento é necessário já que a arritmia ocorre com certa frequência e pode levar à morte súbita do cavalo.

Ecodopplercardiograma como aliado na cardiologia equina

Dentro da cardiologia equina, alguns exames são utilizados no diagnóstico das doenças como, por exemplo, o eletrocardiograma. Este, que ainda é o recurso mais utilizado por veterinários, tem a facilidade da realização a campo em seu favor, mas necessita estar acompanhado de uma avaliação mais completa do paciente para que o diagnóstico realizado seja o mais preciso possível. Assim, ao longo dos anos, a evolução da medicina veterinária chegou a algumas técnicas mais modernas e completas para esse tipo de diagnóstico. Entre elas, o ecodopplercardiograma.

Como um ecocardiograma simples, esse exame permite uma avaliação completa do animal, analisando batimentos cardíacos e alterações de forma e tamanho dos órgãos dos equinos. Contudo, a utilização do recurso doppler concede ao veterinário a possibilidade de avaliar as condições do fluxo sanguíneo e estruturas de vascularização. Dessa forma, quaisquer alterações se tornam mais facilmente notáveis, mesmo fora dos órgãos principais.

Além disso, com o ecodopplercardiograma é possível realizar a medição da pressão intratorácica, fazendo o mapeamento do fluxo sanguíneo utilizando efeitos de cor em determinados aparelhos.

Por fim, é nítida a relevância da atuação em cardiologia equina e o quanto esse tipo de conhecimento teórico e prático é cada vez mais necessário para veterinários que desejem trabalhar com o atendimento clínico a esses animais. Contudo, é importante ressaltar que, por se tratar de um segmento que envolve a análise das condições de órgãos vitais, o veterinário precisa estar equipado para realizar os exames de forma clara, eficiência e segura, garantindo um diagnóstico rápido e preciso.

Fontes: Shop Veterinário e Inpulse

Formosa TMV
Formosa TMV