Embocaduras para cavalos: veja os tipos, consequências do uso e muito mais!

Sem bridão

A escolha das embocaduras para cavalos é um processo importante, principalmente, para quem deseja bons resultados com a doma equina. Contudo, determinar qual o tipo de embocadura ideal, impacta não só no comportamento do animal, mas em sua saúde física e bucal. 

Fonte: Escola do Cavalo

clique aqui e acesse o artigo original

Por isso, visando auxiliar na prevenção de problemas odontológicos, neste artigo vamos abordar o que levar em conta na escolha da embocadura, bem como as diferenças entre os principais tipos. Afinal, a escolha certa pode evitar, entre outras coisas, males que geram as tão temidas cólicas equinas.

Pontos importantes sobre as embocaduras para cavalos

Como ferramentas de comunicação entre cavaleiro e animal, as embocaduras para cavalos buscam trabalhar a interação dos sinais de comando para a direção do cavalo. Como existem diversas necessidades, também existe uma grande variedade dessas ferramentas, com diversas alturas, modelos e materiais.

Vale ressaltar que, dependendo do objetivo de uso, é importante contratar um treinador ou, até mesmo, veterinário, para a escolha e acompanhamento do processo. Afinal, a embocadura é uma ferramenta e, não necessariamente, vai resolver por completo os problemas do cavalo. 

Partindo para a escolha, existem alguns pontos que devem ser levados em consideração. Os principais são:

Tipos de embocaduras para cavalos

Existem diferentes tipos de embocaduras para cavalos, cada uma com um objetivo diferente. Assim, para começar a entender melhor como escolher o tipo ideal, vamos começar pelos três principais: bridão, freio-bridão e freio.

Bridão

O modo de ação é a pressão principal. Gera uma reação do cavalo, a  elevação  da cabeça, como forma de amenizar o incômodo da pressão nas comissuras labiais, uma região muito sensível. Obviamente, quanto mais discretos forem os comandos de rédeas, acionando-se o bridão, menor será a reação de elevar a cabeça. Uma pressão complementar do bridão ocorre nas barras e sobre a língua. O bridão é praticamente uma embocadura de transição, como forma de preparar a boca do cavalo para a introdução do freio.

Existem vários modelos de bridões. Esses devem ser escolhidos de acordo com a finalidade de uso do cavalo. Os mais comuns são os bridões de olhal redondo, de olhal em D e em D’agulha. O material mais comumente utilizado é o aço inox, principalmente pela sua durabilidade.

Freio-bridão

É uma embocadura chamada de transição entre o bridão e o freio. O bocal é articulado, atuando como um bridão, pressionando as comissuras labiais. Mas as hastes são de freio, tipo alavancas. O efeito alavanca não atua sobre o palato, porque o bocal não é curvo. As alavancas atuam sobre a pressão da barbela, no queixo. Assim, um freio-bridão atua sobre dois pontos principais de controle – comissuras labiais e queixo.  Sua ação de efeitos duplos tende a melhorar a flexão da nuca. O excesso de pressão da barbela no queixo tanto poderá “encapotar” a cabeça, como também mantê-la em postura inadequada de “ponteira”, não corrigindo em nada a ação elevatória do bridão. O freio sim, este exerce ação principal de baixar a cabeça do animal, ao estimular a flexão da nuca.

Freio

É a embocadura profissional, que realmente tem condições de ajudar o treinador a explorar o máximo de potencial do cavalo funcional. Ele exerce ação complexa, de efeitos múltiplos. O segredo do uso correto do freio está no ajuste da barbela. Se a barbela estiver muito apertada pode causar desconforto e até mesmo ferimentos ao animal.

Saber escolher um freio é essencial para garantir o bem-estar e comodidade do animal dentro de suas atividades. O modo de ação de suas partes é variável. Por exemplo, o bocal pode ser brando e as hastes severas; o bocal pode ser severo, mas as hastes são brandas.

O modo de ação do freio é mais complexo do que o do bridão, porque atua sobre três pontos de controle, enquanto o bridão atua basicamente sobre um único ponto de controle.

Além desses, existe uma grande variedade de embocaduras para cavalos que são destinadas a uma infinidade de necessidades. À seguir, listamos mais alguns modelos que ilustram a grande diversidade dessa ferramenta:

  • Bridão 2 anéis;

  • Bridão Olivia;

  • Bridão D;

  • Bridão com Anéis Grandes;

  • Bridão Travincas;

  • Bridão Elevador;

  • Bridão “Pessoa”;

  • Bridão Baucher;

  • Pelham;

  • Goyoaga;

  • Freio de treino;

  • Western;

  • Bridão 4 anéis;

  • Barcelona, borboleta e liverpool;

  • Chifney;

  • Embocadura Rotatória;

  • Bridão tripartido;

  • Hackamore.

Tipos de materiais

Além das diferenças de formato, o material escolhido também influencia nas embocaduras para cavalos. Isso porque essa característica interfere, na durabilidade, resistência e reação com o animal. Os materiais mais comuns são:

  • Ferro;

  • Aço inoxidável;

  • Borracha;

  • Flexi/Happy Mouth;

  • Alpaca;

  • Cobre;

  • Fios de cobre;

  • Cyprium;

  • Titânio.

Consequência do uso de embocaduras para cavalos

As embocaduras para cavalos são importantes para a doma e treinamento, mas, mesmo assim, quando usadas de forma incorreta podem afetar a saúde física e bucal desses animais. Isso se dá porque, cada modelo de embocadura exerce pressão em uma área diferente e, cada tipo de pressão ocasiona um reflexo diferente do animal.

Com isso em mente, é mais fácil pensar como a escolha errada da embocadura pode comprometer as ações com o animal. Quando a pressão exercida pela embocadura é excessiva, ela pode causar dores, lesionar a boca e os dentes do animal e causar problemas sérios de saúde. Nessa situação, o desconforto pode afetar também a postura do animal, sobrecarregando articulações e ocasionando lesões em ligamentos, tendões e colunas. 

Ou seja, o uso incorreto das embocaduras para cavalos compromete o desempenho do animal, podendo ser muito grave em casos de animais atletas. 

Dica bônus – veterinário é o momento de se especializar!

Agora que você já entende um pouco mais sobre a escolha da embocadura, e o peso que ela tem na doma, é importante pensar: e se o problema não estiver na embocadura?

Quando o animal apresenta problemas dentários prévios, ele pode ter dificuldades com a embocadura. Isso pode causar comportamento agressivo e arredio, até mesmo rejeição, tudo porque a embocadura pode estar ocasionando mais dor. Por isso, ao decidir usar a embocadura no animal, é importante lembrar que a parte odontológica dos cavalos requer cuidado e atenção. O acompanhamento, que é realizado por um veterinário capacitado, precisa ser feito em intervalos regulares para garantir que o animal não tenha consequências graves, como a tão temida cólica.

Além disso, como o uso da embocadura pode ocasionar tais problemas, esse acompanhamento garante que os problemas não evoluam. E, ainda, auxilia na correção do uso da ferramenta.