João Victor Marcari Oliva montando Escorial Horsecampline em Tóquio

João Victor Marcari Oliva e Escorial Horsecampline: único conjunto brasileiro no Hipismo Adestramento nos Jogos de Tóquio (Foto: Rui Pedro Godinho/Divulgação Coudelaria Ilha Verde).

Convocação foi feita nesta terça-feira, 22/6, pela Confederação Brasileira de Hipismo (CBH). Pedro Tavares de Almeida é o reserva com dois cavalos

COPA Virtual de Salto 2021 Clube do Hipismo

Com três índices técnicos, o cavaleiro paulista conquistou a única vaga do Brasil no Hipismo Adestramento ao apresentar a melhor média, 70,565%, considerados os dois melhores resultados entre os conjuntos (cavalo/cavaleiro) que atingiram o requisito estabelecido pela Federação Equestre Internacional (FEI) que é o índice mínimo de 66% de nota média final e com pelo menos um juiz FEI5* no Grand Prix em Concursos de Dressage Internacional (CDI) acima de 3*.

É a segunda Olimpíada de João Victor, 25 anos, filho da ícone do basquete Hortência Marcari e do empresário José Victor Oliva. A estréia foi nos Jogos do Rio 2016, quando obteve a melhor nota da equipe brasileira.

Trajetória rumo a Tóquio

Pós conquista da medalha de bronze pelo Time Brasil no Pan de Lima 2019, João Victor retornou a Europa, onde se estabeleceu na Alemanha em 2014, para uma maratona de competições válidas como seletivas. De 2019 a 2021 o cavaleiro participou de nove CDIs na Alemanha, Dinamarca, França, Portugal e Rússia. Até início de 2020 montou F-Aron de Massa, registrando três índices, mas foi com nova montaria, Escorial Horsecampline, que passou a competir a partir de novembro que atingiu as maiores notas em seletivas olímpicas entre os brasileiros, acima de 70%, registrando índices nos três CDIs que participou.

Em 2020 se transferiu para Portugal, sendo convidado a integrar um projeto olímpico idealizado pelo grupo JRME Horse Campline, que reservou para o cavaleiro um dos cavalos de sua propriedade, Escorial Horsecampline, garanhão Puro Sangue Lusitano de 12 anos. João Victor montou pela primeira vez Escorial Horsecampline em setembro, e dois meses depois o conjunto fez a estreia internacional no CDI3* de Alter do Chão, em Portugal, alcançando a nota final de 71,00 0% e com dois juízes FEI 5*: 71,1964% com Raphael Saleh, da França, e  70,761%, na avaliação do alemão Elke Ebert.

Em abril de 2021, no CDI3* de Abrantes veio o 2º índice, 69,130% de nota final e com os três juízes FEI5*: 71,848% com Irina Maknami, da Rússia, 68,478% com Isobel Wessels, da Grã Bretanha, e 68,043% com a holandesa Francis Verbeeck van Rooy. 

O 3º índice foi registrado no concorrido CDI3* de Compiegne, na França, em 28/5, com a nota média final de 70,130% e junto a três juízes FEI5*: Susan Hoevenaars, da Austrália (69,022%), Maria Colliander, da Finlândia (69,565%) e o alemão Elke Ebert, (69,891%).

Pedro Almeida é reserva com dois cavalos

Na reserva do Hipismo Adestramento nos Jogos de Tóquio está Pedro Tavares de Almeida, 27 anos, que também fez sua estreia olímpica nos Jogos do Rio. Pedro Almeida é 1ª reserva com Famous do Vouga (68,598%) e 2ª reserva com Xaparro do Vouga (66,108%), dois Puro Sangue Lusitanos de criação de sua família em Itu (SP).

Quem é João Victor Marcari Oliva

Cavaleiro que começou a montar no haras da família, a Coudelaria Ilha Verde, em Araçoiaba da Serra (SP), estreou nas pistas em 2008, aos 12 anos. Desde então soma importantes conquistas: melhor nota do Time Brasil de Adestramento nas Olimpíadas do Rio 2016; medalha de bronze por equipe em duas edições dos Jogos Panamericanos, Lima 2019 e Toronto 2015; campeão Sul-Americano individual e por equipe (Odersul/Chile 2014); melhor nota do Brasil em uma Final da Taça do Mundo de Dressage, em 2017, em Omaha, Estados Unidos; e o melhor resultado da equipe brasileira nos Jogos Equestres Mundiais da Normandia, na França, em 2014, e de Tryon, em 2018, nos Estados Unidos. Enquanto competiu no Brasil, foi pentacampeão brasileiro (Amad or em 2008, Mirim em 2009, Junior em 2010 e 2011, Young Riders em 2012).

João Victor Marcari Oliva conquistou o Prêmio Brasil Olímpico, do Comitê Olímpico do Brasil, em cinco edições, de 2014 a 2018, além de ter sido indicado em 2013 e 2012.

Atleta militar desde 2015 (Sgtº Oliva), João Victor Oliva também foi condecorado pelo Exército Brasileiro em março de 2017 com a Medalha do Mérito Desportivo Militar, a maior honraria concedida pelas Forças Armadas a atletas e personalidades ligadas aos esportes.

Colaboração: Rute Araújo